Anúncio aqui
25.05.2023 | Por: administrador

Crédito de carbono: inovação na AgroBrasília 2023

O Brasil possui um potencial de produção de créditos de carbono único no mundo, mas o mercado deve ser aberto a todos os países, sem restrições ou favorecimentos, e as ações devem envolver entidades públicas e privadas. Esta é a visão da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) sobre o assunto.

Foco da 26ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (COP), realizada em 2021, a questão dos créditos de carbono está no artigo 6 do Livro de Regras do Acordo de Paris, tratado internacional para reduzir o aquecimento global assinado por 196 países, incluindo o Brasil, durante a COP 21, em 2015, na capital francesa. 

A CNA também defende que os países considerados os maiores emissores de gases de efeito estufa – o Brasil, com 2,7% das emissões globais, não está entre eles – sejam responsáveis pelo financiamento de ações de mitigação e adaptação dos outros países, visando o cumprimento do Acordo de Paris, com projetos de cooperação, doações ou transferência de tecnologias. 

A entidade sugere, ainda, que as ações de adaptação e mitigação, como a adoção de tecnologias de baixa emissão de carbono, boas práticas, assistência técnica, regularização fundiária e ambiental, pesquisa e monitoramento, possam ser incentivadas por recursos de fundos levantados junto aos países com maior emissão.
A partir dessas premissas, a CNA, em parceria com a Passyflora Projetos Agro Sustentáveis, empresa acreana, está desenvolvendo uma solução para o mercado de carbono, direcionada, especialmente, para pequenos produtores rurais.

De acordo com a CEO da Passyflora, que está expondo na AgroBrasilia 2023, Patrícia Pahl Siqueira, a proposta é criar oportunidades para os pequenos produtores acessarem o mercado de carbono. “O processo de certificação tem custo alto, o que acaba limitando muito a participação desse segmento no mercado de carbono. Estamos desenvolvendo uma solução que possibilita a conexão de empresas poluidoras com pequenos produtores, que possam ser remunerados pela preservação ambiental”, explica.

O projeto, segundo a CEO, está em fase de validação, e trata-se de um sistema de automatização com utilização de imagens de satélite, para análise e classificação de possíveis geradores de crédito de carbono.

Outros artigos desse tema