Diplomatas visitam fazenda produtora de soja e hortaliças em Cristalina (GO)

A convite da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), mais de 30 alunos do curso de formação de diplomatas do Instituto Rio Branco conheceram no último dia 15 a produção de hortaliças e cultivares de soja da Fazenda Agrícola Wehrmann, em Cristalina (GO).

Os diplomatas conheceram o laboratório de classificação e análise de sementes de soja do grupo Wehrmann, o laboratório de fitopatologia, onde são realizadas  pesquisas de melhoramento genético da soja e milho, controle e monitoramento de pragas, como a ferrugem asiática.

O grupo também visitou a parte de “packing house” da Agrícola Wehrmann, local onde as hortaliças passam pelo processo de beneficiamento.

Os funcionários do Itamaraty ficaram impressionados com o que viram, como é o caso de Matheus Hoscheidt. “Fiquei impressionado com a riqueza de tecnologia utilizada em todo o processo de produção. Certamente isso tudo vai ser muito importante tanto para as atividades de promoção comercial da nossa agropecuária, quanto de negociação de acordos, facilitação de barreiras técnicas, até de questões de sustentabilidade”, destacou o diplomata.

De acordo com os visitantes, além da eficiência e da produtividade, a experiência no campo permitiu uma visão do grau de aprimoramento técnico que o agronegócio brasileiro alcançou.

Ao conhecer de perto o trabalho eficiente dos produtores rurais e a pujança do agronegócio brasileiro, os novos diplomatas vão poder levar conhecimento de uma das principais áreas econômicas do Brasil para o exterior e terão condições técnicas de defender os interesses do País.

A visita faz parte do programa Diplomatas do Campo, que está em sua 4ª edição. O programa é uma parceria da CNA com o Ministério das Relações Exteriores para aproximar os futuros representantes do País no exterior do setor agropecuário brasileiro.

Para o presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), João Martins, é uma experiência muito motivadora. “Nós podemos esclarecer como tudo é feito no campo. A CNA é a casa do agronegócio, pois o nosso potencial não é só da porteira pra dentro, há muito mais da porteira pra fora. E os diplomatas sem dúvida são os nossos desbravadores de mercados”.