ptenes

 Baixe o aplicativo da AgroBrasília:

 

IBGE eleva previsão de aumento da safra agrícola para 29,2% em 2017

Produção foi revisada em maio para novo recorde de 238,6 milhões de toneladas, impulsionada principalmente pela soja e milho.

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) elevou mais uma vez sua previsão para a safra agrícola de 2017. O órgão revisou nesta quinta-feira (8) sua estimativa para a produção em 238,6 milhões de toneladas, um avanço de 29,2% frente a 2016. O crescimento é puxado pela soja e milho.

Na primeira projeção do IBGE, a estimativa era de avanço de 16%, mas o número foi reajustado para cima mês a mês.

A estimativa da área a ser colhida é de 60,9 milhões de hectares, um acréscimo de 6,7% frente à área colhida em 2016 (57,1 milhões de hectares), diz o IBGE. Em relação à informação de abril, a produção e a área aumentaram 2,4% e 0,2%, respectivamente.

Somados, o arroz, o milho e a soja representaram 93,4% da estimativa da produção e responderam por 87,8% da área a ser colhida. Em relação ao ano anterior, houve acréscimo de 2,1% na área da soja, de 17,2% na área do milho e de 3,9% na área de arroz. Quanto à produção, houve alta de 18,5% para a soja, 14,7% para o arroz e 52,3% para o milho.

O estado de Mato Grosso liderou como maior produtor nacional de grãos, com uma participação de 25,6%, seguido pelo Paraná (17,9%) e Rio Grande do Sul (15,3%), que, somados, representaram 58,8% do total nacional previsto. Outros estados importantes na produção de grãos foram Goiás (9,7%), Mato Grosso do Sul (7,7%), Minas Gerais (6,0%), São Paulo (3,5%), Bahia (3,2%), Santa Catarina (2,8%) e Maranhão (1,9%), entre os dez maiores produtores do País.

Impacto no PIB

O avanço do agronegócio puxou o avanço de 1% da economia brasileira no primeiro trimestre do ano. Depois de oito trimestres consecutivos de queda no PIB, a atividade voltou a crescer.

A agropecuária registrou a maior expansão em mais de 20 anos e foi destaque entre os setores calculados pelo IBGE, com salto de 13,4% em relação ao trimestre imediatamente anterior. A safra recorde de grãos ajudou a impulsionar o resultado. Foi o maior crescimento desde o 4º trimestre de 1996.

 

Fonte: G1

Produtores rurais são os que mais preservam vegetação nativa

 

As propriedades de agricultores brasileiros têm o maior índice de preservação de vegetação nativa do Brasil, com 20,5%. É o que apontam as informações levantadas pelo Cadastro Ambiental Rural (CAR), que pesquisou mais de 4,1 milhões de terrenos, totalizando uma área de mais de 410 milhões hectares.

Para se ter uma ideia, todas as Unidades de Conservação (UC) definidas pelas autoridades governamentais significam apenas 13%. Nessas Ucs estão incluídas estações ecológicas, reservas biológicas, parques, monumentos naturais, refúgios de vida silvestre, áreas de relevante interesse ecológico, florestas nacionais, reservas de fauna, reservas de desenvolvimento sustentável, reservas extrativistas, áreas de proteção ambiental (APA) e reservas particulares do patrimônio natural (RPPN).

O Brasil possui mais de 66% de suas terras ocupadas por vegetação nativa, enquanto a produção de grãos, fibras e agroenergia ocupam apenas 9% do território. “Essas informações são públicas e estão disponíveis no site do Cadastro Ambiental Rural (www.car.gov.br). Nosso trabalho foi compilar os dados e integrá-los de forma organizada, agregada e ajustada geograficamente para pesquisas de inteligência territorial sobre regiões, estados, municípios ou áreas de interesse”, explica a supervisora do GITE (Grupo de Inteligência Territorial Estratégica), Lucíola Magalhães.

Na Região Sul, por exemplo, as unidades de conservação e as terras indígenas, somadas, representam oito vezes menos área de vegetação nativa (2%) em relação aos imóveis de produtores rurais (17%). No Centro-Oeste (sem dados do Mato Grosso do Sul), essa relação é de 33% de agricultores para 14% em áreas protegidas.

“Não há, no Brasil, nenhuma categoria profissional – minerador, médico, professor, industrial, militar, promotor, economista ou funcionário – que preserve tanto o meio ambiente como os agricultores. Esse enorme esforço de preservação nos imóveis rurais beneficia toda a Nação. A responsabilidade e os custos decorrentes da imobilização e da manutenção dessas áreas recaem inteiramente sobre os produtores, sem contrapartida da sociedade, principalmente dos consumidores urbanos”, afirma o chefe-geral da Embrapa Monitoramento por Satélite, Evaristo de Miranda.

Fonte: Agrolink

Produtores recebem R$370 mil em crédito do Prospera na AgroBrasília 2017


Governador Rodrigo Rollemberg entrega o contrato de crédito ao produtor Vandir Rodrigues.

Mais de R$370 mil em cartas de crédito do Programa de Microcrédito Orientado (Prospera) foram distribuídos na manhã deste sábado (20) em evento realizado no Auditório Buriti. O evento contou com a presença do governador Rodrigo Rollemberg, que entregou os contratos a 23 microempreendedores rurais.

Em 2017, R$737 mil em linhas de crédito foram concedidos para a área rural, sendo que a meta para 2017 é que esse valor chegue a aproximadamente R$5 milhões. Um dos beneficiários foi Vandir Rodrigues, 22 anos, produtor rural do Assentamento Contagem, beneficiado com uma carta de R$ 15mil reais. “A gente enfrenta muitos problemas financeiros, pois gastamos muito com coisas como irrigação. Então esse crédito, que tem juros baixos, vai ajudar muito na plantação de um hectare de banana”, acrescenta o jovem produtor. 

Texto: Isabella Lucas

Foto: Lucivam Costa

 

AgroBrasília 2017 supera expectativas

A décima edição da AgroBrasília, ocorrida entre os dias 16 a 20 de maio, foi um sucesso. Com um saldo positivo que superou as expectativas dos organizadores, a Feira Internacional dos Cerrados contabiliza grandes números em sua décima edição.

Com público recorde, 99 mil visitantes estiveram presentes no Parque Tecnológico Ivaldo Cenci durante os cinco dias de evento. Realizada pela Cooperativa Agropecuária da Região do Distrito Federal (Coopa-DF), a AgroBrasília contou com a presença de 430 expositores de diversos segmentos do agronegócio e movimentou um montante de 710 milhões em valores negociados, 20% a mais do que na edição passada.

Levantamento prévio realizado junto aos Bancos aponta que algumas instituições aumentaram em 50% os resultados em relação à edição anterior da Feira. Todas tiveram um rendimento em montante e em número de propostas, pelo menos, 20% maior do que em 2016.  Outro destaque deste ano foi a diversificação do portfólio de produtos e serviços que as instituições financeiras ofereceram durante a AgroBrasília, como seguros e consórcios, por exemplo.

Segundo Leomar Cenci, presidente da Coopa-DF, a AgroBrasília fortalece o agronegócio da região: “nesses dez anos, o salto de produtividade que observamos no campo foi muito grande. Houve incremento de 30% na produtividade, não só no PAD-DF, mas em toda a região. Isso se deve a AgroBrasília. O produtor que tem interesse em buscar tecnologias irá encontrá-las na Feira. A AgroBrasília tem como missão apresentar as inovações disponíveis para o produtor rural, seja ele de pequeno, médio ou grande porte”, disse.

Atenta às questões de responsabilidade social e ambiental, a Feira teve como tema "Transmitir Conhecimento Garante Inovação". Todas as entidades participantes desenvolveram atividades ligadas à educação ambiental para todas as idades. A abordagem contribuiu para o fortalecimento da imagem do Agronegócio como ente gerador de oportunidades e multiplicador de ideias construtivistas.

De acordo com Ronaldo Triacca, coordenador-geral da Feira, “a AgroBrasília superou todas as nossas expectativas. A Feira foi um sucesso, com satisfação total dos expositores e do público. Para nós, da organização, é uma grande alegria ter finalizado essa décima edição, que é um marco para nós e para a região como um todo. Então, estamos realmente com sentimento de dever cumprido e com números muito satisfatórios”, disse.

Com uma grande pauta cheia de eventos promovidos por expositores, novidades, inovações tecnológicas e uma forte presença dos visitantes, a décima edição da AgroBrasília encerra-se com muitas expectativas para 2018. A AgroBrasília e a Coopa-DF agradecem a participação de todos e espera revê-los na próxima edição.

 

AgroBrasília promove o Diálogo Internacional: Oportunidade, tecnologia e transmissão de conhecimento entre culturas

A AgroBrasília preparou  um evento especial  na tarde desta sexta-feira, 19. Trata-se de uma oportunidade de transmissão de conhecimento entre culturas, o Diálogo Internacional. Na oportunidade, estavam presentes representantes dos países de Honduras, Peru e Colômbia, além da empresa brasileira Rodrigues Seco International Lawyers, onde abordaram acordos de livre comércio.

O objetivo do diálogo foi a transformação do agronegócio internacional em uma abertura de oportunidades e incentivos, em termos de tecnologia, agricultura e, ainda, para conhecer regiões e produtos desses países, podendo fazer parcerias de importação e exportação de produtos e maquinários entre Brasil e os referidos países.

Iris Seco, da International Lawyers, deu abertura ao diálogo, mostrando as oportunidades de negócios entre os blocos econômicos: Brics, Mercosul, Sacu e SADC, onde destacou a política, economia e agricultura da Namíbia, “A Namíbia é um país organizado, amistoso e oferece muitos incentivos para investimentos estrangeiros de qualquer natureza em seu território", disse.

O Embaixador de Honduras no Brasil, Jaime Guel Bográn, afirmou que o país está aberto ao comércio mundial, que se deve ao crescimento econômico e a diversificação de produtos para exportação existentes no país como: café, banana, dendê, camarão, lagosta, tilápia, frutas, legumes, charutos e tabaco. “Honduras é um país ideal para investimento, já exportamos para os Estados Unidos, Canadá e México, todos os nossos produtos possuem certificado de aprovação internacional”, pontua. Ele ressaltou ainda que Honduras é líder mundial na exportação de Dendê.

Colômbia e Peru também mostraram as vantagens de negócios em seus países, comparando o clima e espaços geográficos com o Brasil, o que favorece o intercâmbio de agronegócio com o Brasil.

Texto: Adriana Raje

Foto: Lucivam Costa

 

Revista Oficial

Jornal Oficial

Patrocínio

 

Patrocinador Master